Quarto de menina não precisa ser todo cor-de-rosa para ser feminino

By on novembro 26, 2012

Se você está às voltas com a decoração do quarto da sua filha, e antes que caia na tentação de fazer uso exagerado do rosa no espaço, saiba que não é só essa cor capaz de imprimir feminilidade a um ambiente –e que nem sempre ela representou o sexo feminino.

A divisão de rosa para meninas e de azul para meninos passou a ser difundida de maneira intensa principalmente depois da Segunda Guerra Mundial. Há quem atribua o uso da cor a uma simples jogada de marketing do pós-guerra, à semelhança do tom com o dos lábios femininos e, ainda, a lendas da antiguidade. Mas ninguém sabe realmente, já que antes da Primeira Guerra o usual era exatamente o contrário: homens usavam rosa e mulheres, azul.

O fato é que esse padrão cromático estabelecido no século passado define até hoje que meninas sejam naturalmente marcadas pela cor rosa desde que nascem. Tudo é rosa no universo infantil feminino, e essa cor –que em nossa época remete à doçura, à delicadeza e à ingenuidade– é naturalmente transportada para o local onde o bebê cresce, torna-se criança e passa a desenvolver gostos e opiniões próprias.

1/10

1/10

Projeto elaborado por Ana Yoshida para uma menina e um menino, que dividem o quarto, mas têm seus espaços setorizados por cores. São três faixas: verde, laranja e azul, sendo que a verde determina o lado do menino e a azul o da menina

2/10

2/10

No projeto de Ana Yoshida para um casal de irmãos, a faixa laranja é a área de uso comum às necessidades das duas crianças. As camas possuem design criativo e são da loja paulistana Bododo

3/10

3/10

A designer de interiores Marília Caetano criou um quarto para sua própria filha onde predominam os tons creme, laranja e verde, com cama em vime e pequeno e elegante dossel de linho azul claro, ponto alto do ambiente

4/10

4/10

No quarto criado pela designer de interiores Marília Caetano para a sua própria filha, o mobiliário em madeira e vime contrasta com as cores alegres escolhidas para o ambiente

5/10

5/10

Esse projeto da arquiteta Suzy Melo feito para uma menina de seis anos mostra irreverência, tendo como elementos decorativos referências aos Beatles e a Elvis Presley

6/10

6/10

No quarto prático e funcional, criado pela arquiteta Suzy Melo, a cama divide espaço com uma bicama e uma escrivaninha retrátil

7/10

7/10

O quarto feito pela arquiteta Vanessa Feres foi desenvolvido para a irmã mais velha de uma família com três filhas e conta com marcenaria branca, espelho apoiado no chão e um pequeno mosquiteiro como destaque na decoração

8/10

8/10

No quarto desenvolvido pela arquiteta Vanessa Feres, a cadeira de acrílico transparente dá um toque contemporâneo ao espaço em que a marcenaria branca aparece com destaque

9/10

9/10

A Suíte da Menina Vaidosa, que a arquiteta Clélia Regina Angelo fez para a Casa Cor São Paulo 2011, abriga dormitório, canto para estudos, camarim, banheiro e closet. O papel de parede da Wallpaper se confunde com a estante e é a estrela do quarto

10/10

10/10

Na Suíte da Menina Vaidosa, que Clélia Regina Angelo fez para a Casa Cor São Paulo 2011, predomina o branco. Para dar vida ao ambiente, a arquiteta apostou em toques de vermelho, como na colcha sobre a cama e nas pastilhas do banheiro

Todo mundo precisa de um cantinho para chamar de lar, eu posso ajudar, basta entrar em contato

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *